WeCreativez WhatsApp Support
Se você for integrador de tecnologia, arquiteto, engenheiro, loja Decor ou Construtora poderá vender nossos produtos de IOT! Nossa equipe de suporte ao cliente está aqui para responder às suas perguntas.
Digital
[ março 14, 2020 by iot 0 Comments ]

CORONA VIRUS x BIOMETRIA

Atenta às novas tecnologias  a MIDIAPOST apresenta ao mercado as novas ferramentas de controle de acesso que previnem a disseminação das doenças virais que podem ser contraídas pelo toque das mãos. 

Agora, os escritórios de empresas de prédios comerciais, Órgãos e Repartições Públicas devem adotar uma nova política recomendada pela OMS, evitar o uso de Biometria por contato físico, ou seja o uso dos antigos sistemas de Cartões RFID e controle de acesso por digitais que estão presentes em catracas de acesso, cancelas e dezenas de dispositivos de controle de entrada em ambientes, ou então ter a política de “portas abertas”, descartando o sistema de controle de acesso biométrico na entrada dos edifícios e complexos corporativos.

Como essa regra vai inviabilizar a segurança interna, os gerentes de TI têm agora a oportunidade de fazer o upgrade de seus sistemas e incluir o sistema de Reconhecimento Facial com medição de temperatura, isso irá reduzir e até mesmo evitar a propagação de doenças em áreas de alto fluxo de pessoas.

Atualmente, o departamento das equipes de limpeza é um dos setores mais movimentados dos parques de TI, pois eles são designados com a tarefa de manter áreas de circulação sempre limpas, é imprescindível manter maçanetas, botões de elevador, trilhos de escadas e os equipamentos de acesso biométrico higienizadas com frequência diversas vezes ao dia. Quando as empresas começarem a estocar desinfetantes, máscaras e luvas, as lojas do setor de limpeza passarão por uma grave escassez destes materiais, tornando estes setores dispendiosos nas finanças globais das empresas. A recomendação da OMS é manter as áreas de alto fluxo de pessoas higienizadas a cada 15 minutos para reduzir o nível de contaminação. Em tempos de Corona Vírus ter um sistema de controle de acesso por reconhecimento facial com gestão de temperatura é uma necessidade emergente para manter a saúde do conjunto de pessoas que circulam em ambientes fechados como repartições públicas por exemplo.

Nossa tecnologia para a detecção das faces funciona mesmo com a utilização de máscaras de segurança. Ampla gama de detecção de rosto dinâmico, reconhecimento facial rápido em 0.5 segundos, com distância de reconhecimento de 0.5 à 4 metros, o que possibilita o uso em diversos ambientes e necessidades especificas de monitoramento de acesso.

Detecção da face mesmo com a utilização de maquilagem, chapéu, óculos, máscara ou barba!

A Pandemia COVID-19 deve fornecer a conscientização aos profissionais de TI, Gestão de Condomínios, Empresas e a comunidade em geral que as facilidades de alta tecnologia são suas aliadas, e que todos devem estudar suas implementações para aprender a evitar o contagio do Corona Vírus em suas comunidades. O uso dos novos equipamentos de reconhecimento facial com sistema de medição de temperatura ajudam os administradores a gerir o fluxo de visitantes e principalmente os funcionários destes complexos a manter a sua saúde, sendo uma medida de precaução a ser tomada em locais movimentados com grande fluxo de pessoas. O sistema de reconhecimento facial permite que tenha o controle nas entradas e saídas dos ambientes com gerenciamento da temperatura de cada individuo automaticamente, os dados são salvos em um banco de dados para acompanhamento.

Várias empresas publicam campanhas em redes sociais sobre ‘distanciamento social’ e outras etiquetas a serem seguidas no momento da pandemia, porém o ato de receber um cartão RFID para entrar em um ambiente corporativo pode contaminar uma dezena de pessoas por dia em um prédio comum.

– Adaptável a todo tipo de porta – Capacidade para 5000 usuários – Alta velocidade de reconhecimento – Ideal para ambientes corporativos

Novos estudos

Estudos relatam que o COVID-19 permanece vivo por até 3 dias quando dispersado no meio ambiente em objetos físicos moveis, no caso dos itens que citamos cartões RFID e os sensores de toque de Biometria são principais meios de disseminação desta pandemia.

Os rumores estão se espalhando como fogo. Houve casos em que as pessoas espalharam rumores sobre a presença de casos positivos de corona e do H1N1 em diversas empresas, isso pode causar uma série de prejuízos a médio e longo prazo, incluindo processos judiciais. Na Bahia há uma LEI que obriga o uso do sistema de Álcool Gel em locais públicos de alto fluxo de pessoas desde o ano de 2017.

Nosso sistema é ideal para ambientes de alto fluxo de pessoas onde a necessidade de proteção seja extrema, tendo o uso principalmente indicado em hospitais, repartições públicas e privadas. O sistema monitora, registra e avisa em tempo real quando a temperatura corporal superar os limites programados, apresentando em um monitor o relatório de visitantes possivelmente portadores de gripes ou infecções virais contaminantes que adentrarem ao recinto.

 

Não espere mais entre na era da tecnologia de reconhecimento facial, ligue agora para a MIDIAPOST e agende uma demonstração de nossos equipamentos


COVID-19

Para a maioria dos pacientes, o COVID-19 começa e termina nos pulmões, porque, como a gripe, os coronavírus são doenças respiratórias. Eles se espalham normalmente quando uma pessoa infectada tosse ou espirra, pulverizando gotículas que podem transmitir o vírus a qualquer pessoa em contato próximo. Os coronavírus também causam sintomas semelhantes aos da gripe: os pacientes podem começar com febre e tosse que progride para pneumonia ou pior.

Após o surto de SARS, a Organização Mundial da Saúde relatou que a doença geralmente atacava os pulmões em três fases: replicação viral, hiper-reatividade imunológica e destruição pulmonar. Nem todos os pacientes passaram pelas três fases – de fato, apenas 25% dos pacientes com SARS sofreram insuficiência respiratória, a assinatura definitiva de casos graves. Da mesma forma, o COVID-19, de acordo com dados iniciais , causa sintomas mais leves em cerca de 82% dos casos, enquanto o restante é grave ou crítico.

O novo coronavírus parece seguir outros padrões de SARS nos primeiros dias de uma infecção, o novo coronavírus invade rapidamente as células pulmonares humanas. Essas células pulmonares são divididas em duas classes: células que produzem muco e células com bastões semelhantes aos cabelos, chamadas cílios.

O muco, embora grosseiro quando fora do corpo, ajuda a proteger o tecido pulmonar de patógenos e garante que o órgão respiratório não seque. As células dos cílios batem ao redor do muco, limpando detritos como pólen ou vírus.

Frieman explica que a SARS gostava de infectar e matar células dos cílios, que depois despejavam e enchiam as vias aéreas dos pacientes com detritos e líquidos, e ele supõe que o mesmo esteja acontecendo com o novo coronavírus. Isso ocorre porque os primeiros estudos sobre o COVID-19 mostraram que muitos pacientes desenvolvem pneumonia nos dois pulmões, acompanhados de sintomas como falta de ar.

É quando a fase dois e o sistema imunológico entram em ação. Despertados pela presença de um invasor viral, nosso corpo se esforça para combater a doença inundando os pulmões com células imunes para eliminar os danos e reparar o tecido pulmonar.

Quando funcionando adequadamente, esse processo inflamatório é fortemente regulado e restrito apenas às áreas infectadas. Às vezes, porém, seu sistema imunológico fica inoperante e essas células matam qualquer coisa, incluindo o tecido saudável.

“Então você recebe mais danos, em vez de menos, da resposta imune”, diz Frieman. Ainda mais detritos entopem os pulmões e a pneumonia piora. ( Descubra como o novo coronavírus se compara à gripe, Ebola e outros grandes surtos ).

Durante a terceira fase, os danos nos pulmões continuam aumentando – o que pode resultar em insuficiência respiratória. Mesmo que a morte não ocorra, alguns pacientes sobrevivem com danos permanentes nos pulmões. De acordo com a OMS , a SARS fez buracos nos pulmões, dando-lhes “uma aparência de favo de mel” – e essas lesões também estão presentes naquelas afetadas por novos coronavírus .

Esses buracos provavelmente são criados pela resposta hiperativa do sistema imunológico, que cria cicatrizes que protegem e enrijecem os pulmões.

Quando isso ocorre, os pacientes geralmente precisam usar ventiladores para ajudar na respiração. Enquanto isso, a inflamação também torna as membranas entre os sacos de ar e os vasos sanguíneos mais permeáveis, o que pode encher os pulmões de líquido e afetar sua capacidade de oxigenar o sangue.

“Em casos graves, você basicamente inunda os pulmões e não consegue respirar”, diz Frieman. “É assim que as pessoas estão morrendo.”